Início > Uncategorized > Resenha do livro "A Galaxia da Internet" de Manuel Castells

Resenha do livro "A Galaxia da Internet" de Manuel Castells

O novo livro de Manuel Castells é uma revolução conceitual para a área de humanas. O autor consegue mergulhar nas transformações do mundo da internet, passando por todo um conjunto de re-organização das empresas que atuam na área, para explicar e exemplificar um volume significativo de transformações sociais contemporâneas. O autor disserta, livremente, sobre sociedade, empresas, redes e tecnologia de forma muito dinâmica e consegue apontar para um futuro muito complexo, promissor e conflitivo.

Deixando de lado todo o pesado aporte sociológico, largamente utilizando em seus livros anteriores como “Sociedade em Rede”, o autor consegue criar uma visão dinâmica (com uma narrativa também dinâmica) sobre os impactos da sociedade digital no mundo e, de quebra, ainda reconhece a geografia como elemento central deste processo (fato que havia negligenciado nas suas obras anteriores). O autor, muito caracterizado por sua leitura repetitiva e exaustiva, muda completamente seu estilo de escrita se livrando significativamente de seus precursores acadêmicos (sociólogos que buscam sempre uma visão sistematizada da sociedade) o autor parte para a análise de uma sociedade em construção e completa transformação.

Daí o seu deslumbre com a geografia preconizada por Milton Santos. Apesar de negligenciar o nome do geógrafo o autor se utiliza largamente dos conceitos desenvolvidos por Milton Santos. O autor chega a dedicar um capítulo para falar, única e exclusivamente, da geografia. Ao lado de capítulos falando sobre Microsoft e Dell Computeres há um capítulo dedicado a geografia sob o título: “A geografia da Internet: lugares em rede”.

Neste capítulo, logo de início, o sociólogo reconhece sua negligencia conceitual em relação a geografia afirmando: “A Era da Internet foi aclamada como o fim da geografia. De fato, a Internet tem uma geografia própria, uma geografia feita de redes e nós que processam fluxos de informação gerados e administrados a partir dos lugares” (Castells, 2005, p.170). Ora, nada mais do que Milton Santos já dizia em 1995

“O fato de que a rede é global e local, una e múltipla, estável e dinâmica, faz com que sua realidade, vista num movimento de conjunto, revele a superposição de vários sistemas lógicos. Esse movimento tanto inclui dnamicas próximas locais, quanto dinâmicas distantes, universais, movidas pelas grandes organizações. Ao mesmo tempo globais e locais, as redes também são unas e múltiplas” (Santos, 1995, p.221)



Com uma linguagem muito menos acadêmica e muito mais didática (e isso é bom não é mal!) Castells esta dizendo o que Milton Santos disse a mais de 15 anos atrás. Enquanto em suas obras iniciais sobre Sociedades e Rede o autor ignorava completamente o aspecto geográfico e local destas transformações impulsionadas pelas novas técnicas Milton Santos fazia delas o aporte de sua obra acadêmica. A globalização não poderia ignorar o local como também a globalização (apesar de ser este seu intuito) não iria facilmente conseguir a homogeneização global (padronização e massificação por conta da difusão de padrões culturais ditadas pela “moda-consumo”), pois a emergência dos locais iria gerar a heterogeneidade (diversidade e diferenças por conta da redescoberta das culturas locais).

A região, objeto de estudo defendido veementemente por Milton Santos (juntamente com a localidade em contrapartida da tendência geral de estudar o território ou o mundo globalizado), é objeto de observação apurada por parte de Castells agora: “a economia integrada em rede, é uma economia constituída de regiões muito grandes, interconectadas” (Castells, 2005, p.185). Para Milton Santos (1995), as regiões eram mais importantes do que os territórios, alias ele não usavam o termo “mais importante” ou “menos importante”, mas falava sim de “sobreposições”. Para ele a “região” e o “lugar” eram pontos de conexão com a globalização e só por meio deles se poderia de fato saber os impactos da globalização. Para o autor, a globalização em si era algo abstrato enquanto a região e lugar (lugares efetivos da prática dos atos globalizantes) eram sim concretos e objetos de análise. Como bem afirma Milton Santos:

“Tanto a região quanto o lugar são subespaços subordinados às mesmas leis gerais de evolução, onde o tempo empiricizado (tempo real) entra em condição de possibilidade e a entidade geográfica preexistente entra na condição de oportunidade. Na realidade a região pode ser considerada como um lugar, desde que a regra da unidade e da continuidade do acontecer histórico se verifique. E os lugares – veja-se por exemplo das cidades grandes – também podem ser regiões. (Santos, 1995, p.132)



E em sua nova obra Castells vai retomar não só a geografia, mas também vem reconhecendo as categorias “espaço”, “região”, “localidade”, “redes”, “técnica” e as grandes cidades. As grande categorias de análise, formuladas por Milton Santos, estão claramente presentes na obra do autor. No entanto, Castells tem sim um grande mérito nesta retomada conceitual de sua sociologia das redes: colocar os conceitos da geografia no mundo cotidiano. Se tais categorias já tinham sido propostas por Milton Santos a mais de uma década atrás não podemos deixar de admitir que elas ganharam uma nova vida com Manuel Castells. Apesar de não ser um geógrafo de formação (e sim um sociólogo), o autor inovou ao trazer o mundo das empresas para as ciências humanas como também inovou ao dar vida aos conceitos de Milton Santos (até então restritos a um pequeno mundo acadêmico devido a complexidade de suas formulações).


Claro que temos que considerar que Castells escreve 15 anos depois de Milton Santos e, obviamente, presenciou literalmente todas as transformações que o nosso ilustre geógrafo só pode vislumbrar durante o período em que viveu. Será que Castells, um sociólogo, vai realmente levar o mérito de difundir as idéias do maior nome da Geografia? Até agora não encontramos nenhum nome equivalente a Castells (nem vamos levar o comparativo até Milton Santos), para difundir didaticamente os conceitos do velho Milton…

Comunicado Radioblogtv: Estamos publicando artigos em um novo portal mais organizado e com muitos conteúdos para baixar além de arquivos e palestras em MP3: http://birageo.blogspot.com/

Categorias:Uncategorized
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: