Início > Uncategorized > Categorias de Análise na obra a Natureza do Espaço: A técnica em Milton Santos

Categorias de Análise na obra a Natureza do Espaço: A técnica em Milton Santos

Como já dissemos Milton Santos foi um visionário de um tempo em que ele própria não era co-participante. Ele vislumbrou a era da internet sem nunca ter tido acesso efetivo a ela. Mas, ele pode vislumbrar porque compreendeu muito bem a dinâmica que as novas técnicas produziam no espaço: as técnicas se davam em rede e produziam sistemas de ações baseados em sistemas de objetos. Complicado?

Não podemos confundir TÉCNICA com TECNOLOGIA. Milton Santos quando fala de técnicas ele quer dizer tecnologia. A diferença entre técnica e tecnologia é a mesma diferença que há entre inovação e invenção. A invenção é produto de uma dada técnica humana com vistas em resolver um problema que é econômico e social. Mas, nem sempre uma nova invenção se difunde no tecido social e isso a deixa restrita ao conceito de invenção. Agora quando este novo produto técnico tem a capacidade de se difundir no tecido social (ele é aceito pela sociedade que lhe dá um uso e cria interconexão entre pessoas e setores produtivos) ele é chamado de inovação. A inovação é nada mais do que uma invenção com valor social (sistêmico).

Por exemplo, Thomas Edison inventou o fonógrafo.

Ver: http://pt.wikipedia.org/wiki/Fon%C3%B3grafo.

Esta foi sua invenção! Ele usou uma técnica para inventar sua engenhoca! Ele a destinou para o uso de surdos! No entanto, sua invenção ganhou outros contornos quando o alemão Emil Berliner a transformou no gramofone:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Gramofone_(aparelho)

Que então começou a se difundir no tecido social como a chamada “radiola” (vitrola) que depois se popularizou como tocador de discos. Este aparelho foi usado para ouvir música. Ele foi inventado como “aparelho de surdos”, mas ele tornou-se uma inovação como “tocador de música”. Com Thomas Edison era uma invenção (uma técnica foi usada. Técnica isolada dos sistemas de ações sociais não cria impacto sistêmico), mas depois quando esta invenção evoluiu para o gramofone (e depois vitrola) ela se tornou uma inovação (tecnologia, uma aparelho tecnológico (objeto) tem o poder de se difundir pelo tecido social gerando novas ações e novos usos (sistemas de ações)). Daí Milton Santos conceber o espaço geográfico com um conjunto indissociável de sistemas de objetos e sistemas de ações.

A técnica tem o poder de criar novos objetos, mas somente quando estes ganham poder sistêmico (de se unir com outros objetos gerando novas ações) é que eles se tornam tecnológicos. Milton Santos poderia ter usado o termo tecnologia para designar o que ele no seu livro chama de técnica. Mas, ele se justifica afirmando que havia uma grande confusão no que as pessoas chamavam de tecnologia. Ele faz uma crítica aos geógrafos e elogia a posição de Max Sorre quanto ao estudo das técnicas

“Cabe, também, uma referência particular à obra de Maximilien Sorre, o primeiro geógrafo a propor, com detalhe, a consideração do fenômeno técnico, em toda sua amplitude. A sua noção de técnica é abrangente. Para ele, “essa palavra ‘técnica’ deve ser considerada no seu sentido mais largo, e não no seu sentido estreito, limitado a aplicações mecânicas”. Para Sorre, a noção de técnica “estende -se a tudo o que pertence à indústria e à arte, em todos os domínios da atividade humana” (Sorre, 1948, p. 5) A idéia da técnica como sistema já lhe era presente, e da mesma forma, a noção de seu autocrescimento e rápida difusão (1948, pp. 11-12). Ele estava convencido de que o entendimento da relação entre mudança técnica e mudança geográfica era fundamental, sugerindo, então, que os estudos geográficos levassem em conta simultaneamente, as técnicas da vida social, as técnicas da energia, as técnicas da conquista do espaço e da vida de relações e as técnicas da produção e da transformação das matérias -primas (Sorre, 1948, pp. 6-7) Mas Sorre foi pouco seguido pêlos seus colegas geó grafos, mesmo se as suas idéias foram objeto de urna larga aceitação em outras disciplinas. Segundo A. Buttimer (1986, pp. 66 -67), “os geógrafos franceses deram pouca atenção a Sorre: tenderam a vê -lo mais como um geógrafo ortodoxo, verborrágico e talvez inclinado a confundir ciência com filosofia”.(A Natureza do Espaço, página 20)

O fonógrafo era apenas uma invenção produzida por uma técnica de produção de Thomas Edison. Com Emil Berliner o fonógrafo ganhou uma característica sistêmica (tocador de música), mas somente como vitrola que este objetos ganhou seu poder sistêmico (de gerar sistemas de ações) e se tornou um objeto tecnológico (sistemas de objeto). A técnica foi a base produtiva, mas a base sistêmica foi dada pela sociedade. Sem uma ideologia de consumo e lazer jamais o fonógrafo ganharia fluidez sistêmica. Daí vamos para a página 204 do livro onde Milton Santos vai falar da tecnosfera (reino da produção técnica) e da psicosfera (reino da produção das idéias sistêmicas (ideologia)): “nosso meio ambiente hoje é constituído só de outras pessoas e de significados. O que chamamos de trabalho é na verdade, a manipulação de signifiados e de outras pessoas” (pg. 204). Abaixo o trecho que fala de psicosfera e tecnosfera.

“Ao mesmo tempo em que se instala uma tecnosfera dependente da ciência e da tecnologia, cria-se, paralelamente, e com as mesma bases, uma psicosfera. A tecnosfera se adapta aos mandamentos da produção e do intercâmbio e, desse modo, frequentemente traduz interesses distantes; desde, porém, que se instala, substituindo o meio natural ou o meio técnico que a precedeu, constitui um dado local, aderindo ao lugar como uma prótese. A psicosfera, reino das ideias, crenças, paixões e lugar da produção de um sentido, também faz parte desse meio ambiente, desse entorno da vida, fornecendo regras à racionalidade ou estimulando o imaginário. Ambas – tecnosfera e psicosfera – são locais, mas constituem o produto de uma sociedade bem mais ampla que o lugar. Sua inspiração e suas leis têm dimensões mais amplas e mais complexas.(pg 172, Natureza do Espaço)

Resumindo: antes que o fonógrafo fosse aperfeiçoado através da tecnosfera e fosse difundido como objeto sistêmico (através da t (se integrasse como objeto sistêmico a rede de produção) já havia uma produção de um sistema de ações com base na psicosfera (um sistema de consumo e lazer já estava sendo produzido). Os grande produtos da nossa era, desta forma, não são invenções técnicas, mas invenções tecnológicas que conseguem se encaixar perfeitamente entre o reino da psicosfera (reino das paixões de consumo) e da tecnosfera (reino da produção (custos, distribuição, legalidade etc). Logo, falaremos do caso da Apple, da Microsoft e outras empresas que foram ou se tornaram sistêmicas!

Quem não tiver o livro “A Natureza do Espaço” é só me pedir que eu envio ele por e-mail! Tenho ele completo na versão atualizada em PDF! Deixe um recado aqui neste tópico!
Categorias:Uncategorized
  1. claudia regina
    junho 25, 2008 às 7:37 pm

    Boa Tarde,Gostei muito do texto, ele vai me ajudar em meu trabalho.Gostaria sim de receber livro “A Natureza do Espaço”, ele vai me ajudar a entender melhor os conceitos e idéias de Milton Santos.Muito obrigada.claudiareginalberton@pop.com.brCampina Grande – PB25/06/08.

  2. Carol
    julho 29, 2008 às 2:23 pm

    Olá! Sou Historiadora, e somente na Pós-Graduação estou tendo acesso a Milton Santos e tem sido surpreendente as teorias e possibilidades levantadas por ele. Se possível gostaria que vc me enviasse o livro “A Natureza do Espaço” para que eu possa me aprofundar nas idéias ‘Miltonianas’, grata.

  3. Ubiratan Carlos Machado
    julho 30, 2008 às 12:00 pm

    Boa Tarde Claudia Regina! Vou mandar o livro sim para você! Você vai poder se aprofundar sim nas teorias de Milton Santos! Sem dúvida esse é o melhor livro dele! Vou colocar ele aqui para download!

  4. Ubiratan Carlos Machado
    julho 30, 2008 às 12:00 pm

    Boa Tarde Carol! Veja até os historiadores apreciam Milton Santos! E olha que ele tem um ramo interessantíssimo que é a história das técnicas! Mas, tem o método dialético dele (apesar de ele não ser marxista ideológico ele é totalmente marxista em termos de método de análise) que também é muito profundo!

  5. Anonymous
    setembro 1, 2008 às 2:11 am

    Olá!…Urgente o Brasil precisa da sua cooperação sobre a obra que Milton Sanots,nos deixou.Peço que faça um comentário no blog http://onegronobrasil1980.blogspot.com há muitas participações neste blog.O Negro no Brasil Atual(1980)

  6. Anonymous
    outubro 5, 2008 às 4:43 pm

    preciso de uma imagem tendo em conta o conceito de tecnica e tecnologia para um trabalho se souberem de alguma digam por favor

  7. Anonymous
    outubro 22, 2008 às 4:20 pm

    Gostaria de receber o livro “A natureza do espaço”, de Milton Santos, em PDF.Estou trabalhando em minha dissertação de mestrado e tenho interesse em compreender melhor a categoria “psicosfera”, criada por Santos.Obrigado,João Nackle Urtjoaourt@hotmail.com

  8. leo ac
    novembro 26, 2008 às 12:11 pm

    Tb gostaria de receber o livro em pdf. Parabéns pelo texto. abs, Leonardoleoalvescorrea@gmail.com

  9. Ubiratan Carlos Machado
    fevereiro 26, 2009 às 4:11 pm

    Já enviei o livro via e-mail !

  10. Anonymous
    abril 7, 2009 às 1:27 pm

    GOSTEI MUITO DO TEXTO E GOSTARIA DE RECEBER O LIVRO NATUREZA DO ESPAÇO, IRÁ ME AJUDAR BASTANTE.paulatiana@hotmail.com

  11. Ubiratan Carlos Machado
    abril 7, 2009 às 6:56 pm

    Beleza Minha amiga geógrafa! O link para vc baixar o livro esta na seguinte postagem: http://ubiratangeo.blogspot.com/2008/07/milton-santos-natureza-do-espao-livro.htmlÉ só copiar e colar no seu navegador! Lá tem o link para baixar o livro completo! Ok

  12. camila
    junho 2, 2009 às 12:56 am

    Camila Moreira.
    Achei muito interessante a colocação sobre as idéias de Milton Santos, isto vai me ajudar muito a ver por outros olhos seus ideais..
    E gostaria muito de receber o livro "A Natureza do Espaço" em PDF, pois estou somente na graduação em Geografia – UESB.

    camila.0902@hotmail.com
    Vitória da Conquista – BA.

  13. Ubiratan Carlos Machado
    junho 8, 2009 às 10:28 am

    Oi Camila! Muito obrigado pelo recado! É realmente as idéias do Milton Santos são muito boas, mas pouco difundidas ainda. A questão da técnica é uma avanço metodológico incrível em termos de análise do espaço. Eu estou escrevendo um livro sobre o assunto e em breve será publicado! Eu vou fazer mais abordagens do tema aqui! Ok.

    Estou enviando o pdf para vc!

    Abraços

  14. Thomas
    junho 22, 2009 às 6:42 pm

    Gostei muito do texto, estou Fazendo geografia e já no 1º período estou fazendo trabalho onde pego muitas ideias dele. Gostaria muito de receber o livro em pdf também! obrigado
    bobdibob_@hotmail.com

  15. Ubiratan Carlos Machado
    julho 24, 2009 às 5:51 pm

    Valeu Thomas! É isso mesmo Milton Santos tem muito para ser explorando ainda! Valeu!

  16. Anonymous
    agosto 20, 2009 às 4:04 am

    Olá enva ra mim ??? santosanc@ig.com.br

  17. Fabrício
    outubro 5, 2009 às 10:20 pm

    Olá.. estou estudando para o mestrado em geografia, e o livro do Milton Santos seria de grande ajuda. Agradeceria se pudesse enviá-lo para mim. Desde já, agradeço. Fabrício.

    fahxcx@yahoo.com.br

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: