Início > Uncategorized > Gestão de Pessoas: inovação na gestão organizacional

Gestão de Pessoas: inovação na gestão organizacional

Eu gosto muito de ler revistas especializadas. Leio pelo menos uma dezena delas durante a semana. Graças a Deus estudo em uma faculdade que é exemplo de organização em termos de biblioteca. Tenho tudo que preciso sempre a mão! Pena que essa lei de Xerox acabou reduzindo a minha capacidade de armazenamento, pois agora penas posso ler e não tenho acesso ao material.

Alias, quero fazer um apelo aos meus leitores! Quem ai puder colaborar com a Radioblogtv fazendo uma assinatura da Revista Exame será muito bem vindo! OU pessoa física ou pessoa jurídica! Vou fazer propaganda da empresa no meu Blog! Rs. Mas, falemos do artigo que saiu na Revista Exame em 2005. Foi um artigo muito bom intitulado “Inovação: como transformar idéias em lucros”. Em muitos casos os artigos são muito pouco explorados por conta da correria do dia a dia. Mas, façamos diferente aqui no Blog da Radioblogtv!

Neste artigo se narrava 6 características de toda a empresa inovadora. Eis que vamos narrar estas características porque são muito úteis as pessoas que buscam desenvolver uma cultura de Gestão de Pessoas. A cada característifica vou fazer uma pequena observação crítica. Mas, para você que trabalha com Gestão de Pessoas ela vai parecer uma narrativa de fatos reais, não uma critica propriamente dita! Vamos a elas:

1)Tem uma cultura que a apóia a criatividade

A inovação é encarada como estratégica. Todos estão comprometidos e contam com o apoio da alta direção para ousar.

Obs: Claro que este “apoio da alta direção” é quase uma metáfora na atual realidade brasileira e talvez até global. Posso falar apenas do que vi nas empresas nacionais. É raridade ver uma empresa que apóia a tal criatividade. A maioria esta ocupada com aspectos operacionais do dia a dia e não tem tempo para isso. Talvez uma reunião de RH de vez enquanto ou uma apresentação de powerpoint. Isto é o mais comum! Mas, creio que com a demanda de fusões e a entrada de novos players o cenário de Gestão de Pessoas venha a predominar;

2) entendem o mercado e o consumidor

Valem-se de pesquisas convencionais e não convencionais para extrair conhecimento sobre as motivações dos consumidores, o que lhes permite antecipar-se a concorrência

Obs: Olha este aspecto das pesquisas são um caso sério no Brasil. A maioria das empresas simplesmente encomenda pesquisas. São raros os exemplos de empresas nacionais que tem uma cultura de debater seus produtos (e expectativas destes) com os empregados e colaboradores. Muitos destes funcionários (de médio e baixo escalão) se quer sabe como funciona o sistema capitalista, um mercado de ações, os investimentos, redes de distribuição, concorrentes etc. Deveria haver um curso para formar os funcionários a fim de que estes tivessem realmente dimensão do que é uma empresa e do que é a empresa em que eles trabalham. Ai choveriam de sugestões e inovações! Quem estiver interessado eu tenho um curso deste montado! Fala desde o funcionamento básico do capitalismo até o mercado de Capitais! Olha eu vendendo meu PEIXE…rs

3) Mobilizam equipes

Usando farta comunicação, conseguem mobilizar funcionários de diferentes áreas para gerar idéias que se transformem em novos e lucrativos negócios.

Obs: O fator equipes é muito positivo no Brasil. Nós temos uma cultura muito engajada em termos sociais. Olha é só você ver a espontaneidade do brasileiro no futebol e ver as outras nações! Nisto nós somos muito bons! Falta algumas coisas para ajustar, mas no geral sou otimista neste aspecto!

4) Cultivam clima de liberdade

Os funcionários podem expressar livremente suas opiniões a respeito de novos projetos. Em vez de punições, os erros geram aprendizado

Obs: Aqui no Brasil isso é piada. E também em outras partes do mundo! A hierarquia é uma coisa muito preciosa para as empresas. Todos falam de administração horizontal sem barreiras, mas a realidade é outra. É só ver o caso de Ken Kutaragi o famoso arquiteto do PlayStation. Por anos esse brilhante engenheiro tentou levar a cabo sua proposta de convencer a Sony a investir em videogames. A empresa só atendeu seu pedido quando estava a beira de uma crise sem precedentes. O resultado? Veja a matéria:

Conhecido como “o pai do PlayStation”, Kutaragi, 56, exerceu papel crucial na invenção do console de videogames da Sony, em 1994, e na do PlayStation 2, em 2000. Conhecido como ovelha negra na empresa, ele contrariou o consenso e fez dos videogames uma das maiores fontes de renda do grupo, mas recentemente vinha perdendo prestígio. A Sony vendeu mais de 200 milhões de unidades de seus consoles em todo o mundo, embora o PlayStation 3 tenha apresentado desempenho inferior ao esperado diante Xbox 360, da Microsfot, e do Wii, da Nitendo Co. Ltd, desde que foi lançado, no ano passado, para disputar a liderança no mercado mundial de videogames, que movimenta 30 bilhões de dólares anuais

Conhecido como “a ovelha negra”. Porque? Porque se opunha a opinião predominante na Sony que queria fazer walkman na era do Ipod. Estamos falando de uma Sony! Que em tese é uma super empresa estruturada e vencedora! Leia a matéria completa no Globo:

http://oglobo.globo.com/tecnologia/mat/2007/04/27/295536623.asp

5 – Avaliam resultados

Estabelecem métricas claras tanto para avaliar o retorno financeiro das inovações como recompensar os membros das equipes responsáveis por projetos bem sucedidos.

Obs: agora isso as empresa nacionais fazem bem: cobrar resultados e avaliar retornos financeiros. Agora tem algumas que já tem avançado muito na idéia de recompensa financeira a projetos bem sucedidos! Isso é verdade!

6 – Derrubam muros

Algumas das empresas mais inovadoras estenderam seus processos de desenvolvimento de novos produtos também a fornecedores.

Obs: Gosto muito de ler Pequenas Empresas Grandes Negócios e fico muito empolgado como as médias e pequenas empresas são ágeis em fazer isso. Por conta do custo operacional que elas tem (ou que não conseguem ter) elas procuram sempre criar novas formas de parcerias que excluam o pagamento em espécie e isso traz novas parcerias e novas redes. Também podemos ver isso claramente na internet! O Google é campeão em fazer esta quebra de “barreiras” e auferir lucro com isso! O capitalismo sistêmico é uma realidade dos dias de internet!

Os sete indicativos são muito bons para se ter um paramêtro do que é o contexto de negócios e corporações no Brasil. É preciso que o pessoal de RH seja muito empreendedor neste novo contexto de mercado nacional. Um processo de aprendizagem, mudança organizacional, palestras, cursos de extensão, formação, MBA e outros “adereços” podem estar comprometidos pela falta de um destes sete itens…

Mais artigos, mais tarde….rs
Categorias:Uncategorized
  1. Anonymous
    setembro 9, 2009 às 3:57 am

    eu preciso fazer trabalho sobre gestão organizaciona horizontal. o que envolve nao estou conseguindo entende alguem pode me ajudar

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: