Início > Uncategorized > Seminário Milton Santos “Por uma outra globalização”: as possibilidades de um novo mundo

Seminário Milton Santos “Por uma outra globalização”: as possibilidades de um novo mundo

Eu não esqueci dos meus internautas que estão ligados aos conteúdos do professor Milton Santos! Alias, ele tem tudo a ver com esse blog porque através da obra dele que eu percebi a intima integração entre pessoas, técnicas e redes sociais que dão origem ao que chamamos hoje de tecnologia. A tecnologia não é igual a técnica, a tecnologia é o produto da integração entre técnicas de produção (sistema de objetos) e sociedade civil (sistemas de ação). A complexidade da obra de Milton Santos se dá justamente pelo fato de que ele vai contra a maré mundial que afirmava que a técnica por si só conseguiria dobrar o corpo social “escravizando-o” e “dominado-o” para um mundo cada vez mais desumanizado e complexo.

Em parte esse objetivo foi alcançado, mas em parte ele desmoronou também. Muitas corporações aumentaram o ritmo de inovação técnica para “cercar consumidores”, mas em outros casos eles “fracassaram”. Peter Drucker já dizia que o investimento em técnicas não era suficiente para produzir inovação. E neste livro “A Estratégia do Oceano Azul” o autor (Chan Kin) afirma a mesma coisa. Ele cita o caso da Philips e da Motorola que impuseram um ritmo de inovação técnica (achando que era tecnologia) para levar os clientes a um novo “patamar de serviços e produtos”.
Veja o caso do CD-i da Philips, maravilha da engenharia que não ofereceu as pessoas razão suficiente para compra-lo. O player foi promovido como “Máquina da Imaginação”, por causa de suas varias funções. O CD-i era player de vídeo, sistema de música, aparelho de jogo e ferramenta de ensino, tudo num só produto. Contudo suas tarefas eram tão diversificadas que era difícil compreender sua operação. (o que o Milton Santos disse sobre o homem lento?? O homem lento era aquele que demora para incorporar a técnica e atrasava o domínio e avanço corporativo das empresas) (pagina 118)
Os gestores responsáveis pelo CD-i da Philiphs caíram na mesma armadilha: encantaram-se pelos penduricalhos da própria tecnologia. Assim com base no pressuposto de que a alta tecnologia é certeza de grande utilidade para os compradores – premissa que, conforme demonstra a pesquisa raramente é verdadeira. A armadilha da tecnologia criou dificuldades para a Phillips e para a Motorola, volta e meia pega desprevenidas as melhores e mais brilhantes empresas. (pg. 118)
Ai entra o que Milton Santos falou sobre a globalização:
O uso extremado das técnicas e a proeminência do pensamento técnico conduzem a necessidade obsessiva das normas. Essa pletora normativa é indispensável a eficácia da ação. Como, porém, as atividades hegemônicas tendem a centralização, consecutiva a concentração econômica, aumenta a inflexibilidade dos comportamentos, acarretando um mal-estar no corpo social. (pg 36 – Livro Por uma outra globalização)
O que Philiphs queria com esse novo produto (objeto)? Queria criar um padrão para o mercado de players! Com base no padrão (que é sinônimo de patentes e copyrights) ela impõe um capitalismo de monopólio tal como a Microsoft faz! Mas, o que aconteceu com o super produto?? O sistema de ações (a sociedade, o consumidor) o rejeitou! O rejeitou porque era um consumidor consciente da “conspiração corporativa”? Claro que não! O rejeitou porque a maioria dos clientes é “homem lento” em termos de adoção de novas técnicas (isso não é tecnologia). O homem lento só adota novas técnicas quando estas lhe trazem ganho social e por isso os produtos precisar estar ligados a evolução da sociedade e as necessidades essenciais deste homem lento!

Sem objetos casados com os sistemas de ações o espaço não existe, o que existe é paisagem e paisagem é passado não futuro do sistema capitalista. O sistema é dinâmico e esta em pleno entrosamento com a vida social e não a submete assim como as corporações querem fazer pensar. Daí a possibilidade libertadora que as idéias de Miton Santos trazem para o corpo da educação, para o mundo dos empreendedores e para os novos gestores! O mundo não é estático! A globalização não aconteceu, ela esta acontecendo e os “cara maus” estão ganhando porque nossos “garotos” não compreenderam que a partida apenas começou
Categorias:Uncategorized
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: